Your browser version is outdated. We recommend that you update your browser to the latest version.

“Storie Alfa Romeo”, sexto episódio: Duetto, o spider italiano conquista Hollywood

Episódio 6Episódio 6

 

 

Hollywood como destino

“It is a very forgiving car. Very pretty, too”. Assim fala do Duetto um excecional gentleman driver: Steve McQueen, convidado no verão de 1966 pela Sports Illustrated a experimentar o spider italiano, entre outros fast friends. O automóvel testado é um dos primeiros Alfa Romeo 1600 Spider desembarcados nos Estados Unidos depois da estreia no Salão de Genebra, poucos meses antes. A opinião de McQueen abarca a essência do Duetto e a unicidade da Alfa Romeo: prazer de condução e beleza em estado puro.
É um parecer abalizado, mesmo tecnicamente. Steve McQueen é colecionador de superdesportivos e piloto hábil, capaz de classificar-se em segundo, na respetiva categoria, nas 12 Horas de Sebring de 1970, fazendo equipa com Peter Revson.
Um ano depois, quem está ao volante do Duetto é Dustin Hoffman, que corre a toda a velocidade ao som das músicas de Simon & Garfunkel no inesquecível “A Primeira Noite”. Imagens que fazem parte da história do cinema e que dão origem a um filão: o Duetto é utilizado como carro de cena em centenas de obras do pequeno e do grande ecrã e torna-se um “objeto de culto”. Também o campeão mundial de pesos-pesados Muhammad Ali deseja um Duetto: recuperando o seu mote “Float like a butterfly, sting like a bee”, personaliza-o com a matrícula “Ali Bee”.
E assim começa a carreira do Duetto em direção ao estrelato. Mas vamos dar um passo atrás para ficar a conhecer as suas origens: a inovação técnica do Giulia e o fascínio do Giulietta Spider.

 1600 Spider 19661600 Spider 1966

Nascido para descobrir a América

Também na história do Giulietta Spider há um protagonista de nome Hoffman. Não Dustin, o ator, mas sim Max Edwin Hoffman: ex-piloto de competição, forçado pelo nazismo a trocar a Áustria pelos Estados Unidos, torna-se, em poucos anos, o importador americano de referência para as Marcas europeias.
Max é muito mais que um simples “comerciante”: é um profundo conhecedor do mercado. Orienta as políticas comerciais, encomenda modelos específicos, sugere variações de estilo – e, com os seus conselhos, contribui para a criação de alguns dos automóveis desportivos mais admirados de sempre. Entre os quais está o Giulietta Spider.
Para Hoffman, o Spider é uma obsessão. Começa a pedi-lo à Alfa Romeo em 1954, logo a seguir ao lançamento do Giulietta Sprint. Sente que pode tornar-se o automóvel perfeito para a Costa do Pacífico – e sabe que, em Hollywood, todos vão querer um. Está tão certo do sucesso que diz-se disposto a comprar várias centenas de viaturas ainda antes de ver os desenhos definitivos.

Giulietta SpiderGiulietta Spider 

A “Bella Signorina”

Hoffman consegue convencer Francesco Quaroni e Rudolf Hruska, e o projeto arranca. O estilo é posto a concurso entre dois designers do momento: Bertone e Pinin Farina. Bertone apresenta uma versão extrema, filha do protótipo “2000 Sportiva” de Franco Scaglione: frente pontiaguda, faróis englobados na carroçaria, aletas traseiras. A proposta de Pinin Farina é desenhada por Franco Martinengo e é a escolhida, pela elegância e pelo equilíbrio clássico das formas.
A “bella signorina” (bela jovem), como lhe chama Pinin Farina, nasce com para-brisas panorâmico e vidros laterais deslizantes. Na parte de dentro das portas não existe puxador: a abertura é acionada com uma corda. Só mais tarde chegarão um para-brisas tradicional, vidros laterais de descer, painéis das portas equipados, capota em lona dobrável, puxadores externos e novos interiores.

Giulietta Spider PrototipoGiulietta Spider Prototipo
Um concept de puro desportivo, confirmado por performances extremamente brilhantes. O Spider adota o motor do Giulietta: quatro cilindros em linha, 1290 cm³ de cilindrada, 65 cv de potência e 155 km/h de velocidade máxima. A potência continua a subir nas versões sucessivas – a começar pelo Spider Veloce de 1958 de 80 cv.
Ágil, jovem, rápido. E belo. O Giulietta Spider agrada ao cinema: Fellini dá-lhe um papel em “La Dolce Vita”, Antonioni escolhe-o como o carro de Alain Delon em “O Eclipse”. Torna-se um status symbol: amado por celebridades, desejado por todos.

 Giulietta Spider VeloceGiulietta Spider Veloce

Made in Italy

Chega o momento de dar um herdeiro ao Giulietta Spider. Luraghi e a sua equipa sabem que não basta construir um excelente automóvel: é preciso recriar o mesmo carisma. A apresentação tem de ser um acontecimento – uma cerimónia solene, a meio caminho entre a investidura e a coroação.
A Alfa Romeo pensa grande. Para o lançamento nos EUA, organiza um cruzeiro e convida as mais exclusivas personagens do mundo do espetáculo, do desporto e da moda. A bordo seguem 1300 VIP, entre os quais Vittorio Gassman, Rossella Falk e a soprano Anna Moffo. O navio italiano Raffaello, com motores a turbina, viaja de Génova para Nova Iorque, fazendo escala em Cannes na altura do Festival de Cinema, e durante todo o cruzeiro três exemplares do novo Spider dão o seu próprio show no convés: um verde, um branco e um vermelho. Sublinhando o caráter italiano do seu produto, a Alfa Romeo antecipa em mais de uma década a linha de comunicação do “Made in Italy”.

 LançamentoLançamento

A herança técnica do Giulia

O Alfa Romeo Spider 1600 nasce a partir da plataforma do Giulia, com distância entre eixos reduzida a 2250 mm; a mecânica é a do seu contemporâneo Giulia Sprint GT Veloce (evolução do Sprint GT). Na altura do lançamento, o Duetto é equipado com o clássico quatro cilindros de duas árvores de cames de 1570 cm³ em liga leve, capaz de debitar 108 cv e com peso seco de menos de 1000 kg. A velocidade máxima é de 185 km/h.

Portello plant - Guidobaldo e TrionfiPortello plant - Guidobaldo e Trionfi 

“Duetto” ou “Osso di Seppia”?

Só o nome do modelo já dá para uma história. Para escolhê-lo, é organizado um concurso com prémios em colaboração com todos os concessionários da Europa. O nome escolhido é “Duetto” – mas surge uma questão de direitos (pela homonímia com uma bolacha de chocolate) que obriga a lançar a viatura como “Alfa Romeo Spider 1600”.
O nome Duetto fica em segundo plano, consolida-se na memória dos fãs e torna-se o apelido comum a todas as gerações do modelo. Outros surgirão: o Spider de 1966, primeiro da série e última obra-prima de Battista Pinin Farina, fica conhecido como “Osso di Seppia” (osso de choco) pela sua forma elipsoidal: frente e traseira arredondadas, lados convexos e linha de cintura muito baixa. O segundo é o “Coda Tronca” (traseira cortada), de 1969, que se distingue pelo corte aerodinâmico da parte posterior. O terceiro é o “Aerodinamica”, de 1983, nascido dos estudos em túnel de vento. Em 1989, chega a última geração, denominada “IV Serie” – automóvel de linhas depuradas e esguias, uma espécie de regresso às origens.
Quatro gerações, mais de 124.000 unidades produzidas em 28 anos: a vida mais longa de sempre para um modelo Alfa Romeo.

Spider1.6 1990Spider1.6 1990 

Porto Salvo, 27 de maio de 2020

 
 
 
 
 

Aqui encontras as matérias elaboradas para registo dos acontecimentos, basta fazer a escolha no Menu.